Contos Eróticos da Safada

 Artur é um jovem de 23 anos, mulato de 1,80 de altura, um corpo não tão forte, mas super saradinho, dividido, pernas malhadas, lindas, eu particularmente, sou gamada em homens com pernas bonitas, ele era instrutor na academia onde eu malhava. Tivemos um primeiro contato íntimo em seu carro, onde o safadinho me fez conhecer o quanto era gostosa sua língua, mas não houve penetração. Depois, tivemos alguns encontros, sempre depois da academia, ele me levava a um drivin e lá ele me fazia ficar super excitada apenas com sua boca, me chupando de todas as formas e maneiras. Esses encontros eram sempre uma tortura, pois eu queria dar pra ele, mas ele apenas me chupava e me deixava zonza de tesão, pois ele apenas me chupava, sem me deixar chupar seu pau, até o dia que ele resolveu que eu deveria retribuir de alguma forma todo o tesão que sentia, e então deu um passo a mais em nossas brincadeiras.
Na última vez que ficamos juntos, o Artur quase cedeu aos meus pedidos para me comer, eu rebolei de uma forma mais safada em sua boca, esfregando minha bucetinha, que ele ficou taradinho, mas ele foi forte e mais uma vez me maltratou não me comendo como eu tanto desejava, mas ele disse, que em nosso próximo encontro, avançaria um pouco mais, nossa, era uma sexta feira, e eu teria que aguardar todo o final de semana para poder ver ele de novo. Na segunda feira, fui pra academia depois do trabalho, cheia de tesão, mas ele não apareceu, um dos instrutores disse que ele tinha tido um problema com o carro, e que não viria naquele dia, nem malhei direito. Na terça, já na academia, assim que entrei já o avistei, troquei de roupa rapidinho, coloquei uma suplex nova que havia comprado, e fui para a esteira, eu podia notar os olhares dos outros alunos da academia na minha bunda. Artur logo chegou próximo a mim, com a desculpa de me dar alguma orientação enquanto eu iniciava a corrida e disse baixinho:
- Você é bem safada mesmo! Essa suplex deixou sua bunda ainda mais gostosa, os homens aqui estão todos te comendo com os olhos. Hoje vamos matar a saudades do fim de semana.
No final da aula, tomei um banho bem gostoso no vestiário, coloquei uma mini saia preta, um top também preto e uma jaquetinha por cima, uma sandalinha de salto não muito alto. Como sempre, eu estava sem calcinha e depiladinha, lisinha. Saí e fui para a parada que sempre esperava Artur, ele não demorou e assim que chegou entrei no carro e dei um beijo gostoso em sua boca, dizendo que estava morrendo de tesão, só por ter usado aquela roupa na academia, pois tinha notado os rapazes me olhando. Ele me disse que os homens tinham me olhado muito sim, e que minha bunda sempre é motivo de comentários em qualquer lugar, principalmente por seu amigo Breno, aluno da academia, e que sabia das nossas saídas, eu nem sabia que ele tinha conhecimento, e fiquei receosa, mas Artur me tranqüilizou, dizendo que Breno é super discreto e que jamais comentaria nada com ninguém e não colocaria nossa amizade em risco. Ao contrário das últimas vezes, Artur dessa vez se dirigiu a um motel, fomos para a suíte, ele disse que tomaria um banho, e mandou que eu o aguardasse na cama, deitada, mas sem tirar a roupa, liguei a TV e fiquei vendo um filme erótico onde uma loira fazia sexo com 2 negros super bem dotados. Artur saiu do banho usando uma sunga, o que já me deixou excitada, pois vi que seu pau estava duro e que parecia ser um pau bem mais interessante do que o do meu marido. Ele se deitou sobre meu corpo e beijou minha boca, sua língua era muito gostosa, quente, hábil, sabia como me deixar mais molinha, mais entregue às suas vontades. Para minha surpresa, ele tira duas cordas finas de suas coisas, e diz que farei só o que ele quer, tira minha roupa me deixando só de saltinho, amarra meus pulsos nas laterais da cama, ficando de braços abertos e sem ter como tocar nele. O safado começa a lamber minhas pernas, passava a língua deslizando em minhas coxas indo até a virilha e cintura e depois fazia tudo de novo. Ele me lambia como um gato, mas não chegava na minha buceta, o que já estava me deixando maluca de tesão. Passado algum tempo, ele me desamarra e me mira de bruços, volta a me prender e me faz ficar de quatro, com o rosto grudado no lençol, ficando bem arrebitada pra ele. Aquele jovem mulato sabia como me deixar tarada, sabia me maltratar, e aquilo estava se tornando um círculo vicioso, eu estava viciada em sua boca, em sua língua em suas chupadas. Agora de quatro, ele beija meus pés,a parte de trás de minhas coxas até que chega em meu cuzinho, e me olhando diz:
- Você é uma cavala sabia, daquelas safadas dos bailes funk do Rio de Janeiro. Lá você iria deixar a negada louca com esse rabo grande que você tem.
Eu então digo: - Se você gosta, então me lambe, me chupa gostoso e depois mete em mim, mete seu pau na minha buceta que eu não agüento mais de tanto tesão.
Artur lentamente começa a lamber minha bunda, fica ajoelhado atrás de mim, sua língua passa a me torturar de forma gostosa. Eu estava totalmente dominada, pronta pra ele fazer o que quisesse de mim, mas ele era um amante dominador muito safado e queria aos poucos me deixar totalmente submissa. Eu rebolo na sua boca, peço que ele me coma, imploro para que ele enfie o pau em mim, mas ele não me atende, me chupa o cuzinho, só o cuzinho, não enfia a língua na minha bucetinha. Gente, isso durou cerca de uma hora mais ou menos, ele me lambendo a bunda, as costas, a nuca, as coxas, e como sempre, acabei gozando, mas foi um gozo tão gostoso, tão intenso, ainda mais por que estava sendo chupada só no cuzinho, meu corpo cedeu na cama, mole. Ele beijou minha boca, e não me deu tempo pra respirar, colocou-me de joelhos sob a cama, e dessa vez amarrou meus braços para trás, nas costas. Ficou em pé na minha frente, com seu pau na altura do meu rosto e ordenou:
- Agora, quero ver o quanto você quer esse pau, quero ver o quanto essa boca é gostosa.
Ele queria ser chupado, e eu queria muito chupar ele. Modéstia à parte eu gosto muito de sexo oral, especialmente chupar um pau, comecei aos 16 anos chupando um rapaz bem mais velho que eu, e tomei gosto pela prática, tendo já vivido muitas experiências apenas chupando uma vara, pois sei que vocês homens ficam loucos quando uma mulher assume que gosta de mamar uma vara e ainda mais,quando gosta de receber toda a porra na boca. De joelhos e com as mãos amarradas para trás, comecei a lamber as pernas dele, eu queria também fazer daquele momento algo bem excitante pra ele, sem sua ajuda fiquei de pé e curvada pra frente, lambi seu abdômen, passando a língua em sua barriga, depois fui até seu tórax e lambi seus mamilos, como é gostoso poder dar um banho de gata em um macho gostoso, amo fazer isso. Virei de costas, nua, com os braços amarrados, e de saltinho, passei a rebolar a bunda por cima do seu pau dentro da sunga, podia sentir ele pulsando, louco pra entrar todinho dentro de mim, queria provocar Artur de todas as formas, para que ele ficasse mais tarado ainda e me possuísse, mas ele se segurava, me xingava, me chamava de vadia, de loira gostosa, ajoelhei novamente à sua frente, pois já estava louca pra mamar seu pau, mordia a sunga puxando pra baixo afim de tirá-la, demorei um pouco, mas logo vi saltar um pau preto lindo, com a glande pra fora, totalmente molhada, babando, um pau com uns 18 cm. Terminei de tirar sua sunga e fiquei olhando fixamente seu pau, era lindo, grande, não tão grosso, mas delicioso, maior do que o do meu maridinho, tinha um saco lisinho, escuro com bolas grandes, eu amo saco grande, gosto de ficar passando a língua, e foi o que fiz, comecei passando a língua em seu saco, Artur suspirou de tesão, seu pau melava meu rosto pingando seu melsinho, ele estava muito excitado. Eu queria mostrar pra ele o quanto gostava de mamar um pau, e olhando para seu rosto passei a língua na cabeça, fazendo aquele melsinho grosso se esticar, mostrando o quanto eu queria ser sua escrava, lentamente coloquei a cabeça na minha boca, ela pulsava, eu não deixava de olhar para seu rosto, fui deslizando vagarosamente sua vara sob minha língua, ele parecia não acreditar no que estava vendo, apesar de ser um mulato super dominador, estava naquele momento sob meu comando, e ficou maluco quando me viu engolir todo seu pau, fazendo-o desaparecer em minha garganta, onde segurei por alguns segundos e voltei pra trás, fazendo novamente minha língua trazer o melsinho gostoso. Ele não se conteve e falou:
- Caralho, que boca gostosa você tem, você é mesmo uma loira muito safada, ninguém nunca engoliu mau pau assim, você merece mesmo é muito rola sua puta, vai me chupa.
Eu estava muito excitada, escorria nas minhas coxas meu líquido vaginal, era tudo muito gostoso e envolvente. Abocanhei a pica daquele mulato e punhetei com meus lábios, colocando e tirando, mamando com uma bezerra, com uma puta querendo leite a todo custo. Coloquei a língua pra fora e ele ficou esfregando a pica nela, no meu rosto, nos meus seios, depois segurou minha cabeça e passou a fuder minha boca, fazendo eu engolir seu pau inteiro, ele ficou tarado com isso, todo homem fica, colocava e tirava todo a pica na minha garganta, sempre me olhando com cara de tarado, eu deixava seu pau todo melado. A sensação de dominação tomou conta de meu corpo, e por incrível que pareça, acabei gozando sozinha, sem ser tocada, de joelhos e com as mãos amarradas, ele assim que percebeu isso, segurou forte minha cabeça, enfiou todo o pau preto na minha boca e gozou forte, mas gozou uma quantidade de porra que eu nunca tinha visto antes, fui engolindo o que dava, mas era tanto leite que começou escorrer em meus lábios, meus seios, ele urrava, foi um orgasmo maravilhoso. Deitei na cama, mole, Artur foi ao banheiro, tomou banho, vestiu sua roupa e me desamarrou, eu não acreditava que ele mais uma vez me deixaria sem ser comida, mas foi o que ele fez, e ainda disse que eu não tomasse banho, que mulher safada tem que ir cheirando a porra pra casa. Ainda abracei ele, nos beijamos bem gostoso, pedi a ele pra me comer, mas ele disse que também queria muito me comer, mas que faria só quando eu estivesse realmente pronta. Como assim? Pronta ? Peguei a mão dele e passei na minha buceta, estava mais que molhada, estava ensopada, mas ele disse que não seria naquele dia. Fomos embora, até por que o horário já estava avançando. Ele me deixou no lugar de sempre, andei até em casa sentindo minhas coxas meladas, levei algumas cantadas, pois meu vestidinho chamava a atenção. Assim que entrei, fui direto para o banheiro tomar um banho, meu marido assistia TV e nem percebeu minha roupa. Quando saí, dei um beijo nele, disse que estava cansada e ia dormir. Na cama ainda me masturbei um pouquinho, pois estava com o corpo pegando fogo e adormeci.
Eu tinha deixado Artur muito tarado com minha boca, e os dias seguintes seguiram desse jeito, saímos da academia, íamos ao drivin, ele me chupava dentro de seu carro de todas as formas, e depois me fazia ficar de joelhos e mamar seu pau preto gostoso, sempre me pedindo pra engolir ele todo, mandava eu fazer isso a todo momento, ele vibrava de tesão, metia na minha boca e gozava no final me fazendo beber tudinho. Na semana seguinte, na segunda feira, ele me ligou pela manhã, eu estava no trabalho, ele disse que precisava me ver, pois estava com muita vontade de sentir minha boca, tinha passado o final de semana todo de pau duro e queria me ver. Me encontrei com ele na hora do almoço, fomos a um lugar tranqüilo e chupei meu mulato como ele gostava, engolia sua vara e podia ver que ele estava agora cedendo aos meus encantos, ele gozou gostoso, engoli tudo sem deixar uma gota escapar. No final da tarde, após a academia, mais uma vez o chupei, indo em direção ao local onde ele sempre me deixava, ele dirigindo e eu mamando sua vara, e de novo gozou na minha boca, ele estava viciado em meus lábios, eu estava amando ser usada por ele, mas queria mais, eu já não agüentava de tanto tesão, queria ele dentro de mim, pois meu fogo era grande, em casa, sempre cheia de tesão, meu marido não me saciava, acho até que ele estava estranhando minha sede, ainda mais por que pedia a ele pra ficar me chupando um longo tempo. Assim que Artur me deixou na parada, me despedi dele com um gostoso beijo. Decidi que iria dar um tempo da academia, queria ver até onde Artur iria, até onde agüentaria sem me ver, e assim foi, fiquei 10 dias sem aparecer e nem atender seus telefonemas, até que um dia após o trabalho, fui para a parada e seu carro parou, entrei e ele perguntou por que eu tinha desaparecido, por que não atendia seus telefonemas, eu respondi dizendo que tinha que me afastar um pouco, pois estava ficando viciada com tanta dominação, e que meu tesão estava a flor da pele, e que não agüentava mais sair com ele e não ser comida. Artur me olhou com cara de safado e disse que eu mais uma vez tinha feito ele ficar na mão, e que deveria pagar de alguma forma, e falou:
- Amanhã, quero você bem bonita pra mim, vou te pagar aqui no seu trabalho e vamos sair, você vai ter o que você merece.
Aquelas palavras me deixaram toda acesa, ele me deixou na parada perto de casa, e foi embora.
Posso confessar a vocês, que o que veio no dia seguinte e nos outros dias posteriores, foram experiências muito excitantes, que eu jamais tinha vivido, e que só serviram para abrir minha mente e me transformar na putinha que sou hoje.
Querem saber o que aconteceu, aguardem o próximo relato, pois tenho certeza que muitos vão gostar.
Desejo receber e-mails de gatos que apreciam amizade com uma loira casada super fogosa, gulosa e que é viciada em chupar um pau bem gostoso.
Desde a adolescência sempre tive muito tesão em mamar gulosamente uma pica, e depois do Artur, acho que me tornei ainda mais tarada nesse sentido, e já tive algumas experiências, onde apenas usei minha boca e confesso que foi muito bom. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário